Thomas Hobbes: Vida e Obra

Como parte da avaliação de Introdução ao Estudo de Direito, cada aluno deveria apresentar a biografia e principais trabalhos dos autores referenciados no livro do Paulo Nader. Abaixo, meu texto sobre Thomas Hobbes.

Thomas Hobbes

Biografia

Thomas Hobbes foi um filósofo e cientista inglês, nascido prematuramente em Malmesbury no condado de Wiltshire no dia 5 de abril de 1588. Em sua biografia, alegou que “ao nascer sua mãe teria dado a luz a gêmeos: Hobbes e o medo”, já que seu nascimento foi marcado pela ameaça de invasão da Armana Espanhola na Inglaterra.

Filho do vigário anglicano de Charlton e Westport, também chamado Thomas Hobbes, foi criado pelo tio Francisco, que possuia um negócio de luvas. Seu pai devido a problemas de seu pai com outro vigário local, foi obrigado a se mudar para Londres, sem poder levar seus filhos.

Sua educação começou na escola da igreja de Westport e aos 15 anos, no ano de 1603, ingressou no Magdalen Hall da Universidade de Oxford, onde predominava o ensino da escolástica e da inspiuração aristotélica, se formando no ano de 1608. Durante seu estudo, seu tempo foi dedicado a leitura de livros de viagem e o estudo de cartas e mapas.

Sua maior influência na época foi a realeza britânica, devido ao contato com suas intrigas e política. Foi professor de Willian Cavendish, com quem viajava regularmente a França, Alemanha e Itália, onde conheceu as idéias de Galileu e Kepler.

Vendo o declínio da escolástica, retornou a Inglaterra em busca de novos conhecimentos. Foi nesse momento em que conheceu Francis Bacon, reforçando sua linha de pensamento e o afastando do pensamento aristotélico.

Com a morte de seu aluno, Thomas Hobbes passou a viajar em companhia do filho de Sir Gervase Clifton, quando conheceu na França o trabalho de Euclides e passou a se interessar pela matemática.

Foi chamado então para atuar novamente como professor de Willian Cavendish, o filho de seu falecido aluno. Durante viagens ao continente, conheceu Galileu e René Descartes. Hobbes acreditava em uma visão mecanicista do universo, diferente de Aristóteles e da escolástica e, durante uma conversa entre intelectuais, elaborou a teoria de que a causa de tudo está na diversidade do movimento, base de seu primeiro livro, “Uma Curta Abordagem a respeito dos Primeiros Princípios”.

A partir daí, planejou uma trilogia filosófica composta pelos livros De Corpore, sobre os movimentos dos corpos; De Homine, sobre o movimento envolvido no conhecimento e apetite humano; e De Dive, a respeito da organização social.

Em 1637 retornou a Inglaterra onde publicou na forma de manuscrito suas obras De Cive e Leviatã, irritando tanto os monarquistas quanto os parlamentaristas, devido aos assuntos neles abordados, como o contrato social e o absolutismo.

Refugiado na França, continuou produzindo e publicou oficialmente sua obra De Cive. O contato com os intelectuais permitiu que ele se tornasse professor do príncipe de Gales, que futuramente se tornaria o rei Carlos II, da Inglaterra, que se encontrava também refugiado na França devido a Guerra Civil Inglesa. Foi nesse período que ele produziu O Leviatã, sua principal obra, que cobria o absolutismo que suscedeu a supremacia da Igreja Medieval.

Devido ao conteúdo do livro, considerado como um ofensa ao rei Carlos II, que habitava a França durante a república na Inglaterra, conhecida também como Ditadura de Cornwell, Hobbes foi considerado como oportunista ao mesmo tempo em que era investigado pelo governo francês devido a seus ataques contra o papado.

Retornou a Inglaterra apenas aos 63 anos, quando escreveu De Corpore, o segundo livro de sua trilogia, no qual reduzia a filosofia ao estudo dos corpos em movimento.

Com o retorno de Carlos II a Inglaterra em 1660, os antigos inimigos de Hobbes, como a monarquia e alguns cientistas, que incluiam o matemático John Wallis, que o acusou de ter escrito O Leviatã como apoio ao líder puritano Oliver Cromwell, se posicionando assim contra o rei Carlos I, que caira em desgraça.

A defesa de Hobbes através de um documento denominado “Mr. Hobbes sob o aspecto de sua lealdade, religião, reputação e maneiras” foi o suficiente para que John Wallis retirasse suas acusações devido ao teor das histórias do período revolucionário que o envolviam.

Hobbes retornou então a corte de Carlos II, onde recebia uma pensão generona, mas estava proibido de publicar qualquer texto polêmico devido a uma lei aprovada pelo parlamento que proibia o ateísmo.  Viveu até 1679, tendo vários trabalhos publicados apenas após seu falecimento.

Ficou reconhecido como um dos principais filosofos políticos ingleses, com seu ápice no século XVIII, devido aos seguidores de Jeremy Bentham.

Principais Obras

Leviatã (1651)

O livro publicado em 1651, homônimo ao Leviatã bíblico, diz respeito a sociedade e ao governo legítimo e é considerado um dos exemplos mais antigos do contrato social, além de uma das referências do pensamento político.

Entre as teses defendidas por Hobbes em sua obra, está de que o homem é um animal fora de controle que depende de um governante absoluto que o domine e o force a seguir um determinado conjunto de regras para o convívio.

A máxima que identifica livro é “o homem é o lobo do homem”.

De Cive (1642)

“Do Cidadão”, primeira parte da trilogia planejada por Hobbes durante seu exílio na França, é composta por três temas da natureza humana: liberdade, império e religião. Foi completa em 1641 e publicada em 1642, mas a primeira versão em inglês surgiu apenas 9 anos depois sob o nome Philosophicall Rudiments Concerning Government and Society.

Na primeira parte, ele aborda a condição humana lidando com as leis naturais; na segunda, a necessidade do estabelecimento de um governo estável; finalmente na terceira, declarações a respeito de teologia.

De Corpore (1655)

Sob o título original em latim Elementorum philosophiae sectio prima De corpore, Hobbes publicou em 1655 o segundo volume de sua trilogia sobre o conhecimento humano.

Apesar do nome que sugeria filosofia natural, as quatro partes que compunham o livro eram divididas de seguinte forma: a primeira sobre lógica, a segunda sobre conceitos científicos e a terceira sobre geometria. Na quarta e última parte do livro, o assunto estudado era a física.

Outras Obras

  • 1620. Three of the discourses in the Horae Subsecivae.
  • 1629. Translation of Thucydides’s History of the Peloponnesian War
  • 1640. The Elements of Law, Natural and Politic
  • 1650. Treatise on Human Nature
  • 1658. De Homine (Latin)
  • 1654. Letters upon Liberty and Necessity
  • 1656. The Questions concerning Liberty, Necessity and Chance
  • 1675. English translation of Homer’s Iliad and Odyssey
  • 1681. Postumously A Dialogue between a Philosopher and a Student of the Common Laws of England (written 1666)
  • 1681. Posthumously Behemoth, or The Long Parliament (written in 1668, unpublished at the request of the King)

Referências

COBRA PAGES. Thomas Hobbes: Vida, época, filosofia e obras de Thomas Hobbes – Parte I. Disponível em <http://www.cobra.pages.nom.br/fmp-hobbes.html>. Acesso em 20 de maio de 2011.
WIKIPEDIA. Thomas Hobbes. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Hobbes>. Acesso em 20 de maio de 2011.
WIKIPEDIA. Thomas Hobbes. Disponível em <http://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Hobbes>. Acesso em 20 de maio de 2011.
WIKIPEDIA. Leviatã (Livro). Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Leviat%C3%A3_(livro)>. Acesso em 20 de maio de 2011.
WIKIPEDIA. De Corpore. Disponível em <http://en.wikipedia.org/wiki/De_Corpore>. Acesso em 20 de maio de 2011.
WIKIPEDIA. De Cive. Disponível em <http://en.wikipedia.org/wiki/De_Cive>. Acesso em 20 de maio de 2011.

Licença Creative Commons
A obra Thomas Hobbes: Vida e Obra de Thomas Hobbes: Vida e Obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não Comercial – Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em praticamentelegal.com.br.

Marcado com: , , , , ,
Publicado em Introdução ao Estudo do Direito
30 comentários sobre “Thomas Hobbes: Vida e Obra
  1. Maria disse:

    Adori, era tudo que eu procurava. Um abraço!!!

  2. Iasmim disse:

    Chegou perto do que eu estava procurando, mas ainda não é

  3. macel disse:

    o mis curto e simples, mas qe resume

  4. Ana disse:

    era tudo q eu procurava…..

  5. michel disse:

    quem lixo o pior texto que tem .nem sabe escrever lixooooooo

  6. lucas santana disse:

    nassa que saiti nao tem em formacoes suficiente para um caderninho de datico

  7. lucas santana disse:

    mas foi legau pesquisar a qui

  8. Ray Vampiry disse:

    valew…gostei resolveu meu problema.

  9. era tudo oque eu presisava que a profºpedil brigada

  10. Matheus disse:

    Precisava de um mais curto mais que resume putz onde vou achar isso resumido

  11. murilo disse:

    gostei pois tinha tudo oque eu procurava valeuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

  12. eu amei perfeito show de bola me ajudou muito valew

  13. gabrielly disse:

    era td o q eu procurava….

  14. meyri disse:

    nossa obrigado eu achei tudo o que eu queria

  15. Jéssica disse:

    me ajudou muito,para o meu trabalho de Filosofia!!!

  16. Ana paula disse:

    aqui eu encontrei tudo o que eu procurava….

  17. caio disse:

    10 me ajudou muito

  18. caio disse:

    espero que todos gostem do trabalho
    e tenham notas melhores

  19. carol disse:

    gostei era tudo o q eu precisava

  20. Gilsa disse:

    Era tudo que eu estava proucurndo!

  21. rafaela disse:

    na verdade foi otimo conseguir melhorar os extimilos!

  22. rafaela disse:

    otimo conseguir melhorar o meu fichamento
    valeu

  23. Ana disse:

    Curtii mtt ‘ Era realmente oqe eu precisava !

  24. Aline disse:

    Quem é o autor desse trabalho?

  25. Victória disse:

    otimo texto,só vou precisar pesquisar mais um pouco sobre a filosofia dele,mas parabéns pelo trabalho,me ajudou bastante :)

  26. rodrigo disse:

    falou tudo que eu precisava

1 Pings/Trackbacks para "Thomas Hobbes: Vida e Obra"
  1. [...] a Teoria Contratual, descrita por Thomas Hobbes e Jean Jaques Rousseau, o homem vivia isoladamente na natureza, mas devido a racionalização de [...]